Área Reservada

Dois milhões de cidadãos europeus assinaram a iniciativa contra o acordo comercial transatlântico (TTIP)

Segunda, 08 Junho 2015 15:15

Dois milhões de cidadãos europeus assinaram a iniciativa contra o acordo comercial transatlântico (TTIP)

Os cidadãos europeus ligados à iniciativa do “Stop TTIP” conseguiram um novo recorde de assinaturas alguns dias antes da votação do TTIP no Parlamento Europeu. Apesar da Iniciativa de Cidadãos Europeus contra o TTIP ter sido chumbada pela Comissão Europeia, os organizadores decidiram prosseguir com a recolha de assinaturas para demonstrar aos decisores políticos europeus, quantos de nós, cidadãos e cidadãs, estamos contra este tratado que, se for aprovado, será altamente lesivo.

Com dois milhões de signatários, esta é a maior iniciativa da Cidadania Europeia desde a introdução do instrumento em 2012, através do Tratado de Lisboa. Para que uma iniciativa tenha sucesso, chegariam metade das assinaturas atingidas nesta. Além disso, esta iniciativa recolheu o número mínimo exigido de assinaturas em 14 Estados-Membros da União Europeia.

O Parlamento Europeu vota no dia 10 de junho uma resolução final sobre o TTIP.

Michael Efler, membro do Comité de Cidadãos Stop TTIP, comentou:

“Dois milhões de pessoas estão a pedir para que parem as negociações do TTIP. Os membros do Parlamento Europeu devem ter isso em conta na altura em que forem votar. O projeto de resolução é fraco na medida em que acolhe com satisfação a inclusão do mecanismo de regulação de conflitos entre investidor e Estado (ISDS – Investor-State Dispute Setlement) no TTIP. Isso permite que as empresas possam processar os governos em tribunais arbitrais por qualquer ação estatal que interfira com investimentos e que reduza o lucro esperado, uma prática que pode prejudicar o Estado de direito e os princípios democráticos."

“Pedimos ao Parlamento Europeu para rejeitar o TTIP porque é uma ameaça à nossa democracia, bem como às normas de proteção dos direitos dos trabalhadores, meio ambiente e saúde pública. No mínimo, o Parlamento Europeu deve tomar uma decisão clara e contra o ISDS. Todas as melhorias feitas para o ISDS que foram propostas pela Comissão Europeia e pelos sociais-democratas europeus são insuficientes. O problema é que o ISDS constitui um sistema paralelo de justiça específico para os investidores que é desnecessário (pois existem tribunais jurisdicionais para esse efeito), perigoso para a democracia (pois passam a existir tribunais que “fazem justiça” fora do sistema jurisdicional) e poderia revelar-se muito caro para os contribuintes (pois no caso de condenação serão os contribuintes com os seus impostos, a pagar). Se nenhuma indicação contra o ISDS está incluída na resolução, o Parlamento Europeu poderia rejeitá-lo para o bem de todos."

A iniciativa “Stop TTIP” conta com uma aliança de 470 organizações da sociedade civil- associações de consumidores, grupos ambientalistas e sindicatos - de todas as partes da Europa. A recolha de assinaturas continuará até dia 6 de outubro para que seja feita ainda uma maior pressão política. A maior iniciativa até agora foi “Water is a Human Right” em 2013 e “One of Us” também em 2013, com 1.8 milhões de assinaturas cada uma. A Comissão Europeia rejeitou o “Stop TTIP” como uma Iniciativa de Cidadãos Europeus em outubro do ano passado. As organizações da sociedade civil estão agora a questionar esta decisão no Tribunal de Justiça da União Europeia.


Contacto para mais informações:
Pedro Krupenski – Diretor de Desenvolvimento
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar
Rua Visconde Moreira de Rey, 37 Linda-a-Pastora 2790-447 Queijas, Oeiras – Portugal
Tel. +351 21 882 3630 | Fax. +351 21 882 3635
www.oikos.pt

Sobre a Oikos

A Oikos - Cooperação e Desenvolvimento é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), com mais de 25 anos de trabalho, tendo sido constituída em 1988, em Portugal. Em 1992, o Estado Português reconheceu-lhe o estatuto de Pessoa Coletiva de Utilidade Pública e, em 2000, foi-lhe atribuído o Estatuto Consultivo junto do Conselho Económico e Social das Nações Unidas (ECOSOC). Tem como missão erradicar a pobreza extrema e garantir que todas as pessoas usufruam do direito a uma vida digna. Trabalhando nas áreas de Ação Humanitária, Vida Sustentável e Cidadania Global, o trabalho da Oikos estende-se atualmente por Costa Rica, Cuba, El Salvador, Guatemala, Honduras, Moçambique, Nicarágua, Peru e Portugal.

 

Galeria de Imagens

image gallery
Screen shot 2012-02-23 at 2.41.44 PM

  

Siga-nos

 

Participe em Ações e Eventos

Setembro 2018
D 2a 3a 4a 5a 6a S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6