Private Area

Sic On-line

Tuesday, 15 January 2008 11:55

Estação das chuvas está ainda no início e já fez cerca de 70 mil desalojados.

As organizações não-governamentais Oikos e Save The Children iniciaram campanhas de recolha de donativos para acudir às vítimas das cheias em Moçambique, acção já lançada também a nível internacional pela Cruz Vermelha moçambicana. As intensas chuvas que assolam anormalmente o país são fruto do fenómeno "La Nia", mas ainda não atingiram o seu pico, temendo-se que, até Março, o nível das águas nos principais rios possa ultrapassar recordes.

 

A constatação é do director do Instituto Nacional de Meteorologia de Moçambique (INAM), Moisés Benesene, que, numa entrevista telefónica à Agência Lusa, atribuiu à "La Nia" a precocidade da queda das chuvas em toda a África Austral, que começaram em Setembro de 2007 e se intensificaram no mês seguinte.

 

Para Moisés Benesene, o pior ainda não chegou, uma vez que os meses mais chuvosos em Moçambique costumam ser Janeiro, Fevereiro e Março. No entanto, o nível dos caudais dos principais rios do país está quase idêntico ao das cheias de 2000 e 2001.

 

De acordo com as autoridades moçambicanas, as cheias em Moçambique já fizeram pelo menos dez mortos e cerca de 70 mil desalojadas, pessoas que fugiram da subida das águas nos principais rios do país.

 

Campanhas humanitárias para ajudar vítimas das cheias:

A britânica Save The Children pretende angariar com a campanha hoje iniciada um total de um milhão de libras (1,3 milhões de euros), destinados a operações de auxílio a crianças deslocadas devido a subida do nível das águas de alguns dos principais rios de Moçambique, enquanto que a portuguesa Oikos necessita de 350 mil euros para uma operação de quatro meses no país.

 

A Save The Children alerta hoje que "estão previstas para as próximas semanas fortes chuvas e prolongada subida do nível das águas, fazendo destas as piores cheias em Moçambique nos últimos anos".

 

A ONG britânica diz estar já a distribuir "kits" de emergência com cobertores, utensílios alimentares, sabão, purificadores de água, cordas e coberturas de plástico para construir abrigos.

 

Quanto à portuguesa Oikos, estima em perto de 350 mil euros as suas necessidades para um período de quatro meses de acções em Moçambique. Actualmente, a Oikos já beneficia em Moçambique perto de 12 mil famílias, cerca de 49 mil pessoas. A ONG esteve presente nas cheias do ano passado, que obrigaram à deslocação de perto de 163 mil pessoas e destruíram perto de 80 mil campos agrícolas.

 

Para recolher os donativos, foi aberta uma conta na Caixa Geral de Depósitos.

 

A Cruz Vermelha de Moçambique está a focalizar-se nos depósitos para residentes no estrangeiro, através de uma conta no Bank of New York, Estados Unidos.

  

Where to find Oikos

We work with communities in poorer countries and regions, promoting public health, food, water, sanitation and education.

Where we are...
Where we were...
 

Follow Us

 

Actions and Events

September 2019
S M T W T F S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5