Private Area

Metro: América Central fortalece políticas de segurança alimentar

Wednesday, 15 July 2015 11:35

Artigo publicado em Metro

 

América Central fortalece políticas de segurança alimentar

 

Embora a América Central tenha grande capacidade produtiva, de acordo com a Agência da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), em 2013, havia 47 milhões de pessoas sem acesso a comida suficiente para levar uma vida ativa e saudável.

 

A Nicarágua, no entanto, conseguiu transformar, nos últimos anos, a América Central de modo a que fosse cumprido o primeiro Objetivo de Desenvolvimento do Milênio para a redução da pobreza extrema e da fome. Entre 2011-2014 a população que sofre de desnutrição no país passou de 20,6% para 16,3%, segundo dados oficiais.

 

Com o intuito de continuar com esse progresso e tirar proveito da legislação atual da segurança alimentar e nutricional, onze organizações da sociedade civil formaram uma aliança para assegurar o funcionamento do quadro jurídico sobre esta questão, a Aliança pelo Direito à Alimentação na Nicarágua (ADHAC).

 

Matilde Rocha, membro desta organização e presidente da Federação da Cooperativa Agrícola das Mulheres Produtoras Rurais da Nicarágua (Femuprocam), disse que o país tem avançado com leis e regulamentos, melhor do que em outros países da região. No entanto, muitas vezes as mulheres são excluídas.

 

"Mais de metade da população não pode falar sobre segurança alimentar porque não é levada em conta. Precisamos de leis que tenham essa visão de género, como direito cooperativo, embora haja uma lei exclusiva para reconhecer as mulheres, que tem um fundo de crédito para a compra de leis da terra, assim o papel das organizações deve ser para monitorar o cumprimento das leis", acrescentou.

 

Desafios


No Censo Agropecuário 2001, Matilde Rocha disse que, dados estatísticos mostravam como pequenos e médios produtores eram importantes para o setor, mas não incluíam as mulheres. "Isso limita-nos a ter acesso aos recursos que são necessários na produção, comercialização e uma série de atividades que lidam com o desenvolvimento da economia social".

 

Já Laurent Sillano, Chefe de Cooperação da Delegação da União Europeia na Nicarágua, destaca as conquistas do país em relação à alimentação e nutrição, embora reconheça que "a América Central ainda está a sofrer com a volatilidade dos preços dos alimentos e da energia ".

 

Para Dora Zeledón, chefe da Liga Parlamentar contra a Fome da Assembleia Nacional, "a nível regional, os desafios são enormes, porque na América Central muito do pobre estão concentrados no continente. Nicarágua tem o segundo maior percentual de pobres na região e do PIB per capita é uma das mais baixas, sete vezes menor do que no Panamá".

 

No entanto, Dora Zeledón reconhece que a agricultura familiar contribui com 60% da produção de alimentos e, neste contexto, as mulheres são um fator chave.

 

Consulte a notícia aqui

  

ModeloAnuncio EmergenciaMZ19_meiapg

Follow Us

 

Actions and Events

May 2019
S M T W T F S
28 29 30 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1