Private Area

El Nuevo Diario: Repensar em esforços contra a fome

Wednesday, 15 July 2015 14:00

Artigo Publicado em El Nuevo Diario

 

Repensar em esforços contra a fome

 

O Chefe da Delegação da Cooperação da União Europeia (UE) na Nicarágua, Costa Rica e Panamá, Laurent Sillano, disse que a América Central enfrenta o desafio de desenvolver políticas públicas "consensuais e participativas" para reduzir a vulnerabilidade das crianças, por não garantir o direito humano à alimentação.

 

Na região, estima-se que hajam 2,2 milhões de crianças menores de cinco anos a sofrer de anemia e cerca 1,9 milhões de crianças desnutridas, disse.

 

No caso da Nicarágua, Sillano reconhece que é "um dos poucos países da região que alcançou o primeiro Objetivo de Desenvolvimento do Milénio, que é reduzir pela metade a incidência de fome no país."

 

Em 1990, mais de metade da população eram "Starved", mas o país acelerou o passo e entre 2011 e 2014, a população subnutrida no país reduziu de 20,6% para 16,3%, segundo dados oficiais.

 

Com o intuito de continuar com esse progresso e tirar proveito da legislação atual da segurança alimentar e nutricional, onze organizações da sociedade civil formaram uma aliança para assegurar o funcionamento do quadro jurídico sobre esta questão, a Aliança pelo Direito à Alimentação na Nicarágua (ADHAC).

 

Matilde Rocha, membro desta organização e presidente da Federação da Cooperativa Agrícola das Mulheres Produtoras Rurais da Nicarágua (Femuprocam), disse que o país tem avançado com leis e regulamentos, melhor do que em outros países da região. No entanto, muitas vezes as mulheres são excluídas.

 

"Mais de metade da população não pode falar sobre segurança alimentar porque não é levada em conta. Precisamos de leis que tenham essa visão de género, como direito cooperativo, embora haja uma lei exclusiva para reconhecer as mulheres, que tem um fundo de crédito para a compra de leis da terra, assim o papel das organizações deve ser para monitorar o cumprimento das leis", acrescentou.

 

Ainda assim, Laurent Sillano destacou as conquistas do país em relação à alimentação e nutrição, embora reconhecendo que "a América Central ainda está a sofrer com a volatilidade dos preços, dos alimentos e da energia".

 

Consulte o pdf da notícia aqui

  

ModeloAnuncio EmergenciaMZ19_meiapg

Follow Us

 

Actions and Events

May 2019
S M T W T F S
28 29 30 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1