Para uma casa saudável - a qualidade do ar e as doenças respiratórias em lares pobres nas Honduras (2011-2014)

Despertar a consciência e combater as Doenças Não-Transmissíveis (DNT)

 

As Doenças Não-Transmissíveis (DNT) são cada vez mais recorrentes em lares pobres das Honduras. Os indicadores de saúde e nutrição mostram altas taxas de morbidez por doenças não transmissíveis, causadas pela deficiência no saneamento ambiental básico, e também por uma distribuição inadequada dos recursos humanos da área de saúde, o que impossibilita o acesso universal aos serviços locais.

 

Nas Honduras, os principais problemas de saúde identificados em crianças menores de cinco anos são infecções respiratórias agudas, diarreias, doenças da pele e desnutrição. Ou seja, são doenças preveníveis que dependem de hábitos e condutas saudáveis, bem como do ambiente em que se vive.

 

O projecto procura abordar o problema das DNT de forma holística, através do fomento de estilos de vida saudáveis, alertando as populações a mudarem comportamentos de modo a melhorar a qualidade do ar e diminuir o índice de doenças respiratórias.

 

As acções envolvem o fortalecimento das capacidades do pessoal médico e voluntários de saúde no âmbito da prevenção, detecção, tratamento, assistência e controlo das DNT; em coordenação com a sensibilização dos profissionais de comunicação e de construção, para que estes desenvolvam e adoptem tecnologias sustentáveis e acessíveis de construção de casas.

 

Esta iniciativa assume ainda uma componente de influência pública para a investigação, elaboração e aplicação de medidas de controlo e normas a nível municipal e nacional para combater as causas deste flagelo, na medida em que a temática das DNT não faz parte da agenda de pesquisas comummente realizadas.

 

Procura-se assim contribuir para a redução dos problemas de saúde provocados e relacionados com a má qualidade do ar e higiene nos interiores dos lares, causados por hábitos e estilos de vida, reduzindo assim a mortalidade e morbidez infantil associada a doenças respiratórias.

 

Pretende-se promover estilos de vida e comportamentos saudáveis, e uma mudança positiva na cultura do ar nos Departamentos de Francisco Morazán e Yoro, proporcionando maior desenvolvimento urbano e rural e melhoria das condições sociais e económicasda população local.

 

No âmbito desta iniciativa, a Oikos integra o "Sub-comité de Calidad del Aire", integrado no "Comité de Apoyo Interinstitucional para la Gestión de la Calidad del Aire y Cambio Climático", e que se propõe ser uma plataforma de consulta para as estratégias que se queiram desenvolver com foco no controlo da contaminação atmosférica.

 

Este projecto irá beneficiar directamente 3.860 pessoas.

Financiadores